Pular para o conteúdo

Modelos Baseados em Agentes na Sintaxe Espacial

Na Sintaxe Espacial, o Modelo Baseado em Agentes (Agent-Based Model – ABM, em inglês) é um modelo que busca simular o comportamento de movimento das pessoas, com base nas propriedades configuracionais e de visibilidade de um determinado espaço. Nesse post, será feita uma breve descrição do modelo, sua aplicabilidade e um breve tutorial de como realizar a simulação no software DepthmapX.

O modelo foi implantado na Sintaxe Espacial por Penn e Turner (2001), como forma de não apenas obter dados sobre acessibilidade espacial, já trabalhados em outras vertentes na Sintaxe Espacial, mas também de capturar padrões de movimento e representação do comportamento humano no ambiente construído, seja ele arquitetônico ou urbano.

A lógica do modelo é simples: os “agentes” (autômatos) escolhem a direção de movimento com base no campo visual do local, definido por intermédio da análise do gráfico de visibilidade (VGA), no qual os agentes têm acesso a informações pré-calculadas sobre o que é visível a partir de qualquer localização dada no mapa.

O Modelo Baseado em Agentes permite que o usuário possa simular o possível padrão de deslocamento humano. Assim, esta ferramenta possui um uso potencial nas tomadas de decisão tanto em termos de planejamento como em projetos de arquitetura e urbanismo, simulando fluxos humanos através de modelos que representem a situação atual ou cenários projetuais.

A visualização pode ser feita em dois modelos: um modelo em 2D, no qual o resultado final da contagem de fluxos é mostrada no mapa pela medida Gate Count (Contagem de Portais) onde as cores mais frias representam os espaços com menor fluxo, e as cores quentes representam os locais onde mais agentes transitaram; e um modelo 3D, onde é visualizado, em tempo real, o deslocamento dos agentes no ambiente estudado.

fluxo

Mapa de fluxos de pessoas. As cores indicam fluxo de pessoas: cores frias representam fluxo menor; cores quentes representam fluxos maiores.

agent_02

Modelo 3D, com os autômatos circulando no ambiente. As cores indicam fluxo de pessoas: cores frias representam fluxo menor; cores quentes representam fluxos maiores.

Tutorial

Uma versão beta do DepthmapX foi lançada em junho, atualizada por Christian Sailer, Petros Koutsolampros na qual a visualização 3D dos agentes está mais estável. A versão pode ser baixada no link abaixo:

https://github.com/blackseamonster/depthmapX/releases/tag/v0.55beta

Para gerar a simulação dos agentes, é necessário primeiro realizar a Análise de Grafos de Visibilidade (VGA). Em casos de dúvidas, vejam as postagens do blog sobre os conceitos e tutorial  da Análise de Grafos de Visibilidade.

Abaixo, um vídeo mostrando os procedimentos para a simulação de agentes.

Importante lembrar que a simulação feita pelo modelo leva em consideração apenas propriedades configuracionais e de visibilidade. Outras variáveis, como topografia, sombreamento e pavimentação não são consideradas aqui. Se a simulação feita em um determinado local não condiz com o fluxo real de pessoas, muito provavelmente a forma urbana e a visibilidade espacial não são as variáveis principais geradoras (ou modificadoras) deste padrão de deslocamento.

Referências

PENN, A.; TURNER, A. Space Syntax Based Agent Simulation. In: International Conference on Pedestrian and Evacuation Dynamics, 1 Duisburg, 2001. Proceedings… Duisburg: University of Duisburg, 2001.

 

3 Comments »

  1. No caso de se estar trabalhando com um bairro que possui um ponto de grande atração, como uma orla marítima, isso acabaria por influenciar diretamente no que tange a visibilidade e fluxo. Diante disse, teria alguma maneira de levar isso em conta para aplicação dessa análise? Desde já agradeço pela atenção!

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá Maria! Infelizmente o DepthmapX (e a maioria das ferramentas de Sintaxe Espacial) só levam em consideração a configuração espacial. Nesse caso, há uma limitação do programa, em simular acessibilidade e fluxos baseados apenas na morfologia. Isto não desqualifica o software, uma vez que há estudos de caso que mostram que a forma urbana é responsável por 60% a 70% dos fluxos de pessoas, variando com o modo de transporte utilizado. Você pode utilizar a metodoogia da Sintaxe Espacial para analisar o quanto a forma urbana influencia (ou não) nos fluxos. O que não puder ser explicado pela Sintaxe pode ser explicado por outros fatores, como a presença de sítios de amenidades, como você mencionou. O importante é saber que informação você quer extrair do programa. Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: